ilhadenotícias - #anuncie!
whatsapp

(18) 99132.5461

A saída dos médicos cubanos está comprometendo o atendimento nas Unidades de Saúde de Ilha Solteira?

Sim - 58.9%
Não - 41.1%

Total de Votos: 56
The voting for this poll has ended ligado: 30 Nov 2018 - 00:00

Em Ilha Solteira, ex-ministro Carlos Gabas afirma que proposta da reforma da Previdência "é crime que tira direitos do trabalhador aposentado"

Douglas Cossi Fagundes
Da Redação

O ex-ministro Carlos Gabas

 

O ex-ministro da Previdência nos Governos Lula e Dilma, Carlos Gabas, esteve em Ilha Solteira. Ele passou pela Câmara, onde se encontrou com o presidente do legislativo, Rodrigo Batista Gonçalves, o Kokim (PPS), e o vereador Antônio Carlos da Silva, o Toninho (PT), além de filiados ao Partidos dos Trabalhadores (PT), onde falou sobre a reforma da Previdência proposta pelo Governo Temer (PMDB), que pode ser aprovada pelo Congresso Nacional ainda este mês. Para ele, a proposta é um crime, que tira direitos do trabalhador aposentado.

 

Para o ex-ministro, o objetivo do Governo Temer com a reforma é reduzir a proteção social pública e abir espaço para a previdência privada. "Eu nem chamo de reforma, mas de desmonte do sistema de seguridade social. E ela só tem um compromisso: reduzir a proteção social pública e abir espaço para a previdência privada. É diminuir a proteção pública e fazer com que as pessoas comprem planos de previdência privada. O compromisso que ele tem é com os organizações, as empresas que vendem plano de previdência. É com o capital especulativo, com os bancos. Por isso que ele coloca esse terror na sociedade, dizendo que "ou faz a reforma agora ou a previdência acaba". E isso não é verdade. A previdência não acaba", disse Gabas

O ex-ministro afirma que a Previdência não está quebrada, como vem alardeando o Governo Federal, e defende a transparência nos números de gastos e arrecadação com o setor. "O Governo apresenta um diagnóstico da previdência que é falso, dizendo que a previdência está quebrada e que a reforma é a única alternativa para continuar pagando os benefícios, sem reduzir valores, sem nenhum prejuízo para a sociedade. E essa afirmação é mentirosa. Não é verdade. E não sou só eu que digo. Recentemente, uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Senado Federal constatou que a nossa previdência não está quebrada. O Governo precisa mostrar os números, quanto arrecada, quanto gasta e qual o tamanho da dívida. Ele não faz isso. Apresenta uma proposta que tira direitos, e de várias categorias, ao mesmo tempo que perdoa dívidas de grandes devedores. Se a Previdência estivesse quebrada, ele não poderia perdoar dívida", afirmou Gabas.


Privilégios e reorganização - O ex-ministro também não concorda com a firmação de que o Governo quer combater privilégios. Para ele, se existem, o Governo deveria mostrar quais são. "Nós estamos falando de uma reforma que vai tirar direito do trabalhador aposentado. Sabe qual a média salarial de um aposentado no INSS: R$ 1196,00. Qual o privilégio de quem ganha R$ 1196,00?

Esse argumento é mentiroso. O que o Temer está fazendo é um crime. É tirar o direito, o sonho de um trabalhador de chegar a uma certa idade e se aposentar", disse Gabas.

O ex-ministro afirma que a Previdência precisa sim de uma reorganização, mas não da forma como vem propondo o Governo Temer. "Essa reorganização deve ser feita à base do diálogo. É um sistema que foi construído ao longo de décadas e você não pode pretender mudar sem ouvir os interessados, que são os trabalhadores, os empregadores e os aposentados. Se você perguntar qual a situação da Previdência, se nós estamos em "céu de brigadeiro" e se não é preciso mexer em nada? Não, nós temos desafios a serem enfrentados. Nós temos um sistema de previdência que ele é adequado ao perfil do país, à nossa população, às desigualdades que nós temos, regionais, econômicas e sociais. E para reduzir essas desigualdades, você tem que ter políticas sociais. E a Previdência protege o trabalhador rural, urbano, os trabalhadores em condições especiais, os servidores públicos. Enfim, você tem uma proteção para todo o conjunto da sociedade, cada um com suas características. E isso é que torna o sistema justo. Você não pode tratar as pessoas que tem uma condição desigual de maneira igual. Eu não posso tratar o trabalhador que começa com 15 anos, amassando barro em uma construção, que vai trabalhar até os cinquenta, cinquenta e cinco anos, nesta profissão que é desgastante, com alguém que começa a trabalhar com trinta anos, no ar-condicionado, em um ambiente muito mais favorável. Essas características específicas de categorias, de regiões do país, precisam ser levadas em consideração", disse Gabas.

Kokim, Carlos Gabas, Toninho e Alessandro Tomate, vice-presidente do PT


Receba notícias de Ilha Solteira pelo Whatsapp

Quer receber notícias no seu celular sem pagar nada? 1) adicione este número à agenda do seu telefone: 18 99132-5461; 2) envie uma mensagem para este número por WhatsApp, informando seu nome

O www.ilhadenoticias.com não autoriza a reprodução parcial ou integral deste texto

Os comentários postados neste texto são de inteira responsabilidade do seu autor, já que estão diretamente ligados a sua conta no facebook

Google+